24/09/2015

Moscamed participa de audiência em Juazeiro com ADAB e Ministério Público da Bahia

Moscamed participa de audiência em Juazeiro com ADAB e Ministério Público da Bahia

O Ministério Público da Bahia através da Promotoria Pública de Saúde e Meio Ambiente, promoveu na terça-feira (22) uma audiência pública na Universidade Estadual da Bahia – UNEB para tratar da situação dos pomares e o índice de infestação de moscas-das-frutas nos distritos irrigados do Vale do São Francisco, nos municípios baianos.

O presidente da Moscamed, Dr Jair Virginio foi convidado pela Promotora Titular Heline Alves a participar da audiência e junto com a coordenadora estadual do programa de Moscas-das-Frutas (ADAB), Rita de Cássia revelar o perfil da espécie de moscas-das-frutas que ataca as áreas de produção do VSF, informar sobre os prejuízos econômicos causados pela praga e o comportamento dos pequenos produtores nas medidas de controle e a adesão ao programa de monitoramento.

Participaram da reunião, o Coordenador Regional da Agência de Defesa Agropecuária da Bahia – ADAB, Raul Décio, o diretor do Departamento de Tecnologia e Ciências Sociais da UNEB, Jairton Fraga e representantes dos pequenos produtores dos Distritos Irrigados do Vale do São Francisco.

Durante o encontro foi discutida a importância dos programas de controle e monitoramento das moscas-das-frutas, o índice de infestação da praga e a responsabilidade dos produtores com as medidas fitossanitárias na produção dos perímetros irrigados.

“Comunicamos o Ministério Público da situação nas áreas de produção para que nos auxiliasse convocando os produtores a utilizarem os controles adequados para reduzir o os índices de infestação dos pomares. É importante que o produtor tenha consciência para cuidar de sua área e comunicar a ADAB sobre uma área onde não estão sendo aplicadas essas medidas”, explicou Rita de Cássia.

As moscas-das-frutas são as principais pragas de fruteiras que depreciam os frutos e restringem a comercialização para o mercado externo. As espécies de importância econômica são as Ceratitis capitata, Anastrepha e Bactrocera carambolae. “As principais culturas no Vale do São Francisco são a manga, uva, acerola e goiaba”, informou a coordenadora.

As agências de defesa agropecuária da Bahia e de Pernambuco estabeleceram medidas fitossanitárias a serem adotadas pelos produtores de base familiar nos perímetros irrigados do Vale do São Francisco. Os controles devem ser: cultural (coleta de frutos maduros), químico (utilização de produtos - iscas tóxicas – registrados no MAPA e cadastrados na ADAB), legislativo (que determina obrigatoriedade no controle da praga), Técnica do Inseto Estéril (TIE – quando houver redução do MAD) e o biológico (uso de parasitoides).

A ADAB e ADAGRO/PE realizam fiscalizações periódicas observando o controle de moscas-das-frutas, condições fitossanitárias do pomar e aplicação de agrotóxicos assim como o monitoramento dos índices das armadilhas em campo (MAD – Mosca/ Armadilha/Dia).

O presidente da Moscamed, organização social que atua no monitoramento da praga e aplicação da Técnica do Inseto Estéril (TIE), Jair Virginio destacou os danos econômicos acarretados pela infestação das moscas-das-frutas. “A atividade de fruticultura no Vale do São Francisco gera em média 2,0 empregos por hectare irrigado totalizando 240.000 empregos diretos e 960.000 indiretos”, afirmou.

De acordo com Virginio os quase 3 mil lotes nos Distritos Irrigados de base Agricultura Familiar geram R$ 494 milhões. Nas áreas empresariais para exportação são R$532 milhões e nas áreas empresariais onde a produção é voltada para o mercado interno são gerados R$500 milhões, totalizando R$ 1.526 milhões.

Com esses números e a importância destacada pelas instituições de controle e fiscalização, a Promotora Pública Eline Alves alertou os produtores sobre as providências que o Ministério Público aplicará caso as medidas de controle não sejam cumpridas. “Estou aqui para informar aos produtores que a ADAB vai notificar quem não cumprir as medidas e o Ministério Público vai intimar o produtor podendo inclusive serem punidos. Temos que nos conscientizar que essa é uma questão econômica, mas também de saúde e meio ambiente”, salientou.

Representando a Biofábrica Moscamed, estavam presentes os engenheiros agrônomos Marijke Daamem, coordenadora técnica de monitoramento e Fabricio Almeida, técnico de campo.

Ascom Moscamed


imprimir


Biofábrica Moscamed Brasil - Organização Social reconhecida pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e pelo Governo da Bahia
Av. C1, 992 - Quadra D 13, Lote 15, Distrito Industrial do São Francisco, Juazeiro - BA - Brasil - CEP 48.908-000
Telefone e Fax: (74) 3612.5399
E-mail: biofabrica@moscamed.org.br

ÓRGÃOS FINANCIADORES E
ALIANÇAS ESTRATÉGICAS
  • governo federal
  • finep
  • banco nordeste
  • cnpq
  • iaea
  • governo bahia
  • secretaria saude bahia
  • secretaria administracao bahia
  • secretaria agricultura bahia
  • adab
  • adagro
  • embrapa
  • esalq
  • icb
  • codevasf
  • adagri
  • uneb
  • inca
  • usda
  • cena
  • univasf
  • usp
  • uesb
  • ufpe
Inovamídia

Moscamed Brasil 2006-2010 - Todos os Direitos Reservados